ACEM realiza manutenções em proteções de vias no Morro da Cruz


Nos últimos meses a ACEM realizou algumas atividades de manutenção em vias do Morro da Cruz, todas elas com a anuência dos conquistadores. Foram elas:

1. Regrampeação da via “Mil Pilões” com grampos de titânio colados, incluindo a parada dupla. A primeira proteção da via, uma chapeleta, foi mantida por estar em bom estado. Autorizado por Stanley Tristão da Costa, conquistador da via.

2. Troca de um grampo da via “Beata” por um grampo de titânio. O grampo antigo estava torto, com sinal de ferrugem e um pouco para fora da pedra. O novo grampo foi colocado no mesmo lugar do antigo. Autorizado por Ralf Cortês, conquistador que bateu todos os grampos da via. Os outros grampos originais foram mantidos.

3. Troca do grampo P na parada da “El Diablo” por um grampo de titânio. O grampo antigo estava com sinais fortes de corrosão devido à instalação indevida de uma malha rápida feita com metal diferente do grampo. Autorizado por Stanley Tristão da Costa, conquistador da via.

4. Na face leste do Morro da Cruz, foram duplicadas as paradas das vias “Baba do Quiabo” e “Quiabos Babantes” com chapeleta de aba dupla da Bonier. Essas vias tinham parada com um único grampo. Autorizado por Marius Bagnati, conquistador das vias.

5. Remoção de várias malhas rápidas colocadas nas proteções fixas de paradas. Estas malhas não eram para atividade de escalada, e geraram corrosão iônica, pela diferença do tipo de metal entre a proteção e a malha. Esta corrosão comprometeu a confiança de alguns grampos que tiveram que ser substituídos. As malhas estavam enferrujadas, o que exigiu trabalho com desengripantes e chaves para sua retirada.

Houve uma preocupação especial em não descaracterizar as vias e para isso um esforço significativo de trabalho foi dedicado ao reuso do mesmo furo, que foi possível em vários casos. Nos casos em que não foi possível, geralmente pela quebra de um pedaço do grampo durante a tentativa de remoção, o novo local foi escolhido em consulta com o conquistador e escaladores locais que escalam as vias.

Durante o processo, a equipe evoluiu bastante nas técnicas de remoção de grampos e reaproveitamento dos furos. As novas proteções tem estimativa de vida útil muito longa (mais de 50 anos no caso do titânio) e por serem coladas terão sua remoção facilitada. Assim, a via poderá permanecer como concebida pelo conquistador por centenas de anos e a rocha preservada.

É importante destacar que além de vias mais seguras, houve um aprendizado importante por parte da equipe: estudo e escolha de materiais (vários tipos de aço inox x titânio x preço), processo de colagem, remoção de grampos e chapeletas, … Interessados nesses assuntos, podem nos contactar que será um prazer discuti-los.

A ACEM gostaria de agradecer aos conquistadores que autorizaram e incentivaram a manutenção, e aos seguintes associados que abriram mão de escalar para trabalhar nesta manutenção em seis idas ao Morro da Cruz: Adriano Pina, Heitor Kagueiama, Jomi Hubner, Rodrigo Carlson e Rodrigo Ferreira. Agradecemos também ao João Amorim pelo empréstimo de uma das furadeiras, ao Ricardo Garcia pelo saca grampo e a todos que deram uma mãozinha carregando alguma coisa ou dando dicas de posicionamento de proteções.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.